Poluido.
 
Eu vejo a arvorezinha no horizonte, folhas verdes de quem tomou chuva com prazer, flores amarelas, mas... espera, no galho molhado pousou uma pomba branca, nada qual o quê, apenas uma sacolinha plástica, solta que algum descuidado deixou ao vento. Triste realidade na paisagem do nosso país, pensamos ver pássaros e temos só lixo.
Poluido
Por escolha e privilégio moro perto da mata, verde e imponente mostrando o poder da natureza, a tristeza e o castigo é ver como existem indivíduos sem consciência, consciência comum da qual depende o futuro de seus filhos que terão de respirar poluição, sem água e sem comida, uma fartura de necessidades.
Será que existe uma maneira de acordar esse povo cego que caminha a esmo em direção ao próprio extermínio? Seria essa a maior praga de Deus?

Homens que perderam ou não aprenderam a ter bom senso, gerando crianças mais cegas ainda que não veem que, como parte da natureza, dependem dela 100% e precisam respeitá-la acima de qualquer coisa.
Cuidar da casa em que vivemos é essencial para a saúde, preservar esse mundo que temos, único que conhecemos deve ser prioridade, mas ao invés disso todos os dias a cada minuto só ouvimos notícias abjetas.
Polu
Os homens não conseguem conviver nem com a própria raça, o extermínio é constante, vivendo no caos resultado de uma superpopulação carente, imaginem então conviver, amar e respeitar às demais raças. Vamos sobreviver à falta de água, de energia, de alimentos, de ar?

                                                                 LVF.


  Crônicas Anteriores